• Claudia Godoy

Witschel na pandemia: "queda do PIB será brutal, mas tenho esperança de recuperação em 2021"

O embaixador da Alemanha, Georg Witschel, informou que a previsão é de queda de 5,3% a 10% do PIB (Produto Interno Bruto) alemão em função da pandemia do novo coronavírus (a Covid-19). "Será brutal",

afirmou o diplomata, ressaltando, porém, que tem esperança de "forte recuperação" já em 2021. A entrevista foi exclusiva ao portal Bacuri Notícias.


O embaixador da Alemanha, Georg Witschel. Foto: Claudia Godoy

De acordo com Witschel, a Alemanha está atuando para resgatar empregos e empresas. "Estamos usando bazuca, artilharia, afim de injetar dinheiro na economia. Queremos resgatar as grandes empresas, mas também as pequenas",

disse o embaixador. Witschel aposta numa recuperação sustentável da economia com investimentos em técnicas modernas, como energias renováveis e economia verde. "Temos que investir não só no que já existia antes da pandemia, mas também em energias renováveis" , apostou o diplomata. O embaixador informou que os setores automotivo, aéreo e de serviços (como feiras, mercados e turismo) serão os mais afetados pela crise econômica gerada pela pandemia na Alemanha.


O embaixador concedeu a entrevista pelo Skype.

Para o embaixador alemão os europeus superaram a crise e o desafio gerado pela pandemia. Os ministros das finanças do euro autorizaram o Banco Europeu de Investimento a destinar € 500 bilhões (cerca de R$ 3 trilhões) para programas voltados às empresas da zona do euro. "Os europeus superaram a crise como europeus e não somente como Estados nacionais" , disse Witschel. Os recursos serão investidos em linhas de crédito para subsidiar programas voltados às pequenas e médias empresas em países que necessitem de ajuda. Serão oferecidos subsídios e linhas de crédito. "Só podemos superar essa crise com muito dinheiro e juntos". Ainda de acordo com ele, a chanceler alemã, Ângela Merkel, já decidiu também investir € 525 milhões (mais ou menos R$ 3,5 bilhões) no desenvolvimento de pesquisas para a produção da vacina contra o novo coronavírus e outras ações. "A Alemanha está comprometida com este objetivo de participar desse compromisso" , disse. Outros € 300 milhões (R$ 1,8 bilhão) serão doados para a ONU (Nações Unidas) para ajudar outras partes do mundo, fora da União Europeia. "América Latina, África. Afinal, trata-se de uma pandemia", afirmou o diplomata alemão.


"É mais fácil fechar a economia que voltar ao normal. Mas desde o início de abril os novos casos diminuem lentamente", disse Witschel. Foto: Claudia Godoy.

A chanceler alemã, Angela Merkel, começou a anunciar, este mês, a abertura gradual da economia e a flexibilização do isolamento social. "É mais fácil fechar a economia que voltar ao normal. Mas desde o início de abril os novos casos diminuem lentamente", disse Witschel, acrescentando que "agora damos liberdade aos cidadãos".


A chanceler Angela Merkel.

Nas últimas semanas, Merkel começou a determinar a abertura das lojas, com medidas extras de higiene, além de um retorno gradual dos alunos à escola. "Estamos testando o terreno. Temos regra: se número de pessoas infectadas aumentar, as medidas poderão ser alteradas localmente", informou o embaixador alemão. Se o número de contaminados ultrapassar os 50 por cada 100 mil habitantes as medidas serão novamente reforçadas. "As restrições a imigrantes vão até 15 de junho. Até lá não será possível viajar para a Alemanha ", disse.