• Claudia Godoy

The Lancet publica resultados dos ensaios clínicos das fases I-II da Sputnik V

Com informações da Embaixada da Rússia

O RDIF e o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleia anunciam a publicação na principal revista médica The Lancet dos resultados dos ensaios clínicos das Fases I-II da vacina russa Sputnik V, comprovando sua segurança e eficácia.

O Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF), o fundo de riqueza soberana da Rússia, e o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleia do Ministério da Saúde da Federação da Rússia anunciam a publicação de um artigo científico sobre os resultados das Fases I -II dos ensaios clínicos da primeira vacina de coronavírus registrada do mundo, a Sputnik V.

O artigo foi publicado em uma das revistas médicas mais respeitadas do mundo, The Lancet (https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)31866-3/fulltext ).


Um artigo de pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya sobre os resultados dos ensaios clínicos das Fases I-II da vacina Sputnik V publicado em The Lancet (um dos principais jornais médicos internacionais) é o primeiro de uma série de publicações.


Em setembro, os resultados completos dos testes da vacina em animais serão apresentados para publicação. O ensaio foi conduzido em primatas, hamsters sírios e camundongos transgênicos, e mostrou 100% de eficácia protetora da vacina (os resultados em primatas e hamsters sírios foram obtidos antes dos ensaios clínicos).


Espera-se que os primeiros resultados dos ensaios clínicos pós-registro em andamento envolvendo 40.000 voluntários sejam publicados em outubro-novembro.


A publicação científica em The Lancet prova a alta segurança e eficácia da vacina russa e também fornece dados detalhados sobre os resultados dos ensaios clínicos. O artigo contém as principais características qualitativas e quantitativas da vacina Sputnik V, distinguindo-a favoravelmente de outras vacinas que estão apenas passando por testes clínicos em vários países e não têm dados sobre a carcinogenicidade ou os efeitos sobre a fertilidade.