• Claudia Godoy

Stefan Mera alerta para "forças" que tentam diminuir papel da UE durante pandemia

Atualizado: 14 de Abr de 2020



"Vamos nos recuperar, mas o problema são os custos e o aproveitamento político da situação", disse o embaixador da Romênia, Stefan Mera, durante entrevista exclusiva online para o portal Bacuri Notícias. O diplomata analisou as notícias de falta de ação e solidariedade no início da crise provocada pela Covid-19 no continente.




Foi acertada uma ajuda de cerca de € 500 bilhões para os países europeus, recursos que deverão ser liberados em duas semanas.

Durante a entrevista online, exclusiva ao portal Bacuri Notícias, o diplomata informou que o governo romeno vai pagar pensão para os descendentes de médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem que sucumbirem à Covid-19. "São famílias que ficam sem nada", disse o embaixador da Romênia.


Mera alerta para "fake news" que estão circulando com o intuito de diminuir o papel da UE na pandemia. "Alemanha e França ajudaram mais do que Rússia e China. Médicos romenos também foram trabalhar na Itália como forma de solidariedade", disse Mera. A Romênia presidiu o Conselho da União Europeia, no primeiro semestre do ano passado.



Ao final das reuniões dos ministros das Finanças da UE, foi acertada uma ajuda de cerca de € 500 bilhões para os países europeus, recursos que deverão ser liberados em duas semanas.



Nesta semana, a Europa conseguiu chegar a um acordo em mais uma tentativa de formular uma resposta comum aos efeitos da pandemia. Ao final das reuniões dos ministros das Finanças da UE, foi acertada uma ajuda de cerca de € 500 bilhões para os países europeus, recursos que deverão ser liberados em duas semanas. Permaneceu, entretanto, o impasse na questão da emissão de títulos de dívida conjunta, apelidados de eurobônus ou de coronabonds, principal reivindicação das nações de economias menos robustas, que sofreram uma derrota.


Durante a entrevista online, exclusiva ao portal Bacuri Notícias, o diplomata informou que o governo romeno vai pagar pensão para os descendentes de médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem que sucumbirem à Covid-19. "São famílias que ficam sem nada", disse o embaixador da Romênia. O comércio não essencial está fechado na Romênia e para se deslocar o cidadão deve comprovar com declaração a necessidade de sair de casa.


O diplomata romeno destacou também a limitação de tempo de permanência dos maiores de 60 anos nos supermercados, por exemplo. "Isso não é muito popular, mas necessario", disse Mera. A Romênia registra cerca de 5.990 casos e 282 mortes pela Covid-19. "Ainda não chegamos ao platô. Muitos romenos chegaram da Itália ", informou Mera. O embaixador disse, também, que o número de casos depende do volume de testes, por isso há muita subnotificação.


Mera avaliou, ainda, as expectativas em relação à queda do PIB (o Produto Interno Bruto). Segundo ele, há apenas modelos teóricos sobre a expectativa de queda do volume de riqueza romeno.