• Claudia Godoy

Sputnik V começa a ser produzida no Brasil

Com informações da Gazeta Russa

A farmacêutica brasileira União Química, que participa do consórcio para produção da vacina russa contra covid-19, a Sputnik V, começou a produzir o imunizante em território nacional, de acordo com o presidente do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev.


Por enquanto, a planta se restringe à produção de um lote-teste do ingrediente ativo necessário para fabricar o imunizante. Segundo especialistas, caso a experiência seja bem-sucedida, isso permitiria produzir a vacina inteiramente no Brasil a partir de abril.

“Esta semana já iniciamos um lote piloto de aprendizado de produção de IFA [ingrediente farmacêutico ativo]. [A produção atual] não é para uso”, explicou o cientista-chefe da União Química, Miguel Giudicissi, à agência Reuters.


Atualmente, o Brasil depende das exportações de ingredientes ativos da China para produção local dos imunizantes contra covid-19, dentre eles o russo.


No entanto, o acordo entre as partes brasileira e russa prevê a transferência de 100% da tecnologia e material celular, que chegou ao Brasil este mês, para a produção da Sputnik V.


Tanto a Fundação Oswaldo Cruz como o Instituto Butantan anunciaram a expectativa de iniciar a fabricação integral de suas vacinas (da AstraZeneca e a Coronavac, respectivamente) no Brasil apenas no segundo semestre de 2021.


Outro objetivo da União Química é exportar a vacina produzida no Brasil para outros países da América Latina. Em entrevista a Reuters, o diretor de negócios internacionais da farmacêutica, Rogério Rosso, alegou que a empresa “não precisa de registro no Brasil para exportar”.


Quatro países da região – Argentina, Bolívia, Paraguai e Venezuela – já aprovaram o uso da Sputnik V em caráter emergencial e iniciaram as respectivas vacinações.


Também nesta quinta, a Hungria foi o primeiro país da União Europeia a aprovar o uso emergencial da vacina russa Sputnik V. Apesar disso, o bloco europeu tem se esforçado para tomar decisões conjuntas sobre o tema; até o momento, a UE autorizou apenas o uso dos imunizantes norte-americanos da Moderna e da Pfizer-Biontech.