• Claudia Godoy

Modi usa técnica de nudge no combate ao novo coronavírus


O governo indiano utilizou a tecnologia nudge ( "arquitetura da escolha" que indica melhores opções para as pessoas, sem restringir a liberdade ) nos primeiros três meses da pandemia de Covid-19 para controlar as infecções no país. A informação consta em estudo realizado por Ramit Debnath e Dra. BwRonita Bardhan, do Behavior and Building Performance Group, do Departamento de Arquitetura de Cambridge.

Usando a aprendizagem automática e algoritmos baseados em Inteligência Artificial para analisar quase 400 comunicados à imprensa do governo, eles mostram como a Índia interferiu em 14 áreas de políticas principais para influenciar o comportamento de 1,3 bilhão de pessoas.


"A Índia relatou quase cinco milhões de casos de Covid-19 e bem mais de 80.000 mortes (até 17 de setembro de 2020), tornando o país um dos mais afetados do mundo. Mas uma tragédia ainda maior poderia ter se desdobrado se o governo da Índia não tivesse usado a teoria do nudge para manter um dos mais rígidos e longos bloqueios do mundo, no primeiro trimestre do ano", é a opinião de um novo estudo.


Veja a nota completa da Embaixada da Índia

O uso da teoria do nudge (Teoria do Incentivo) pelo governo da Índia nos primeiros três meses da pandemia ajudou a combater o vírus em várias frentes, sugere um novo estudo.


A Índia relatou quase cinco milhões de casos de COVID-19 e bem mais de 80.000 mortes (até 17 de setembro de 2020), tornando o país um dos mais afetados do mundo. Mas uma tragédia ainda maior poderia ter se desdobrado se o governo da Índia não tivesse usado a teoria do nudge para manter um dos mais rígidos e longos bloqueios do mundo, no primeiro trimestre do ano. Essa é a opinião de um novo estudo realizado por Ramit Debnath e Dra. BwRonita Bardhan, do Behavior and Building Performance Group, do Departamento de Arquitetura, de Cambridge.

Usando a aprendizagem automática e algoritmos baseados em Inteligência Artificial para analisar quase 400 comunicados à imprensa do governo, eles mostram como a Índia interferiu em 14 áreas de políticas principais para influenciar o comportamento de 1,3 bilhão de pessoas, incluindo funcionários do governo, cientistas, profissionais de saúde, fabricantes, fornecedores de alimentos e estudantes para ajudar a combater o COVID-19. Os pesquisadores argumentam que os incentivos do Primeiro-Ministro da Índia, Narendra Modi, foram particularmente importantes na criação de um efeito de manada nas normas de confinamento e distanciamento social em toda a nação.

O estudo, publicado na PLoS ONE (Biblioteca Pública de Ciência), descobriu que o governo implantou técnicas de nudge para enfrentar uma ampla gama de desafios urgentes entre 15 de janeiro e 14 de abril de 2020. Nudging é uma abordagem de política pública baseada em design que usa reforços positivos e negativos para modificar o comportamento de uma população.

Em janeiro e fevereiro, os incentivos políticos estavam focados na avaliação do risco da entrada de viajantes da China e na ampliação da vigilância nos aeroportos internacionais. Mas a narrativa logo mudou para abordar outras preocupações urgentes. Até março, os incentivos procuraram impor novas restrições às viagens, desencorajando as pessoas de visitar espaços públicos e lotados, e um distanciamento social estrito. Em 24 de março, Modi disse à nação que “21 dias é fundamental para quebrar o ciclo de infecção ... ou então o país e sua família podem retroceder 21 anos”. No dia seguinte, o país entrou na fase 1 de confinamento.

O governo agiu para lidar com notícias falsas sobre o vírus e convencer a população a cumprir estritamente as regras, usar máscaras e lavar as mãos com frequência. Ao mesmo tempo, conduziu vigilância em áreas urbanas usando tecnologias inteligentes que incluíam drones, análise espacial, aplicativos para telefones celulares de Bluetooth de baixa potência e robôs humanoides.

Ramit Debnath disse: “Abordagens políticas baseadas em Nudge são cruciais em um país democrático como a Índia, que tem uma vasta população e divisão geoespacial, altos níveis de analfabetismo e um sistema de saúde extremamente vulnerável”.

Ronita Bardhan acrescentou: “O governo precisava urgentemente ganhar tempo e reunir uma população diversa para lutar contra um problema comum - esse foi um grande desafio. Nossas descobertas mostram que o governo precisava de muito mais do que dados científicos para convencer as pessoas, eles apelaram para valores poderosos, incluindo patriotismo, família, religião e comunidade. ”

O estudo destaca o papel desempenhado pelo "Fundo de Assistência ao Cidadão e Alívio em Situações de Emergência do Primeiro Ministro" (Fundo PM CARES), que foi criado para incentivar o público a fazer micro doações e encorajar a participação pública para ajudar a lidar com a crise. Em 5 de abril, o Primeiro-Ministro incentivou as pessoas a apagarem voluntariamente as luzes por dez minutos em solidariedade aos trabalhadores da linha de frente. A maioria desses incentivos foi feita com anúncios em mídias sociais, encaminhamentos de SMS e mídia de transmissão.

O estudo descobriu que os ministérios do governo incentivaram as empresas manufatureiras da Índia a produzir EPI, desinfetante para as mãos e máscaras para atender à demanda nacional, ao mesmo tempo que buscaram proteger a segurança alimentar do país e as cadeias de abastecimento em um momento crítico - os agricultores indianos colhem suas safras de inverno de fevereiro a abril.

Enquanto isso, o governo estimulou a comunidade científica da Índia a lutar contra a pandemia, liberando fundos por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia. As instituições de pesquisa foram encorajadas a submeter propostas para se concentrar no desenvolvimento de diagnósticos de baixo custo, vacinas, antivirais, modelos de doenças e outras atividades de pesquisa e desenvolvimento para estudar o COVID-19.

A inovação científica neste período incluiu robôs para estimular o distanciamento social em espaços públicos e centros de saúde; e um aplicativo de rastreamento de contatos (AarogyaSetu) usando GPS e Bluetooth. Lembretes de SMS frequentes foram usados para incitar as pessoas a usar o aplicativo. O Ministério de Desenvolvimento de Recursos Humanos também incentivou a comunidade de start-ups e inovação na Índia a participar da luta pelo COVID-19, lançando programas como ‘Fight Corona IDEAthon’.

Para apoiar a educação, o governo incentivou o ensino em casa ao promover agressivamente o uso da Biblioteca Digital Nacional da Índia. O governo até aproveitou a nostalgia para ajudar a manter as pessoas em casa durante o confinamento, transmitindo programas de TV populares dos anos 80 e 90 no canal nacional Doordarshan.

O estudo demonstra como as estratégias de nudge evoluíram com o desenrolar da crise. Entre janeiro e a primeira semana de março, por exemplo, um ministério do governo (AYUSH) incentivou agressivamente as pessoas a seguirem a prática medicinal tradicional do Ayurveda e a manter a boa saúde por meio da ioga para aumentar a imunidade, ao mesmo tempo que insistia na disciplina da higiene pessoal. No entanto, em meados de março, à medida que as taxas de infecção aumentavam, os incentivos mudaram dos tratamentos tradicionais para a promoção de um estilo de vida saudável usando hashtags como #YOGAathome (Ioga em Casa).

Os pesquisadores usaram modelagem de tópicos, um método computacional de ciências sociais que tem sua base na mineração de texto e no processamento de linguagem natural. Esse método analisa automaticamente os dados de texto para determinar as palavras do aglomerado para um conjunto de documentos.

O governo começou a suspender as restrições de confinamento em 7 de junho de 2020 e, desde então, a disseminação do vírus acelerou. Mas os benefícios da campanha de incentivo do governo ainda estão sendo sentidos, acreditam os pesquisadores. Ronita Bardhan diz: “Mudanças de comportamento encorajadas por incentivos no início do ano, incluindo o uso de máscaras e o distanciamento social, ainda são amplamente mantidas em toda a Índia. Esses incentivos ainda estão ajudando a salvar vidas. ”

O estudo não tenta avaliar o sucesso ou fracasso das intervenções políticas do Governo da Índia, mas sim entender como incentivos latentes específicos ao contexto foram criados por meio de intervenções políticas.


Ramit Debnath é bolsista da Gates Cambridge no Churchill College; A Dra. Ronita Bardhan é professora universitária de Sustentabilidade no Ambiente Construído e membro do Selwyn College.

(Original Text in English can be accessed at https://www.cam.ac.uk/research/news/extent-of-indias-covid-nudge-campaign-revealed)