• Claudia Godoy

Mais da metade desértico, Israel desenvolve tecnologia e já exporta flores e frutos



Com 83% da água potável do país dessalinizada e 90% do esgoto tratado, portanto, uma das maiores taxas de reúso do mundo, Israel destaca-se no mapa como um país que está vencendo uma guerra longe dos campos convencionais, contra a hostilidade do meio ambiente. Mais da metade do território de Israel é desértico e eles carecem de recursos hídricos, mas hoje já conseguem exportar frutas e flores, além de ensinar outros países a lidar com a seca. Chegam a fornecer água para palestinos e jordanianos. "Somos uma gota d'água no mapa", disse o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, nesta terça-feira (7), durante entrevista virtual exclusiva para Bacuri Notícias.

O embaixador de Israel, Yossi Shelley, durante a entrevista virtual. Foto: reprodução.
O Estado de Israel (20.770 km2) é um pouco menor que Sergipe (21.915 km2).

Segundo Shelley, Israel fez fortes investimentos em irrigação e reúso da água a partir de 1947 ao enfrentar muitas dificuldades com o solo desértico da região onde o país está localizado. "Conquistamos o deserto com a tecnologia. Hoje, com o Google é possível ver tudo verde e marrom", disse o diplomata israelense. "Cerca de 70% da água de reúso vão para a agricultura", disse o diplomata, acrescentando que, no Brasil, a região Nordeste conhece a técnica israelense de dessalinização, que possui uma máquina que chega a processar 10 mil litros de água por dia.

Dessalinização em Israel. Foto: divulgação.

Os israelenses utilizam basicamente a água dessalinizada, cerca de 400 litros por dia, o mesmo volume de países desenvolvidos. Na África, uma região que sofre com a escassez de água, por exemplo, o consumo é de apenas 5 litros/dia.

Colheita no deserto israelense. Foto: divulgação.

As taxas cobradas pela água em Israel variam de acordo o uso e o governo combate o desperdício proibindo abusos. "As prefeituras devem tratar o esgoto e investir na água. Os prefeitos podem ser processados se não o fizerem", disse o embaixador israelense.

Colheita de uvas em Israel. Foto: divulgação.

Na agricultura israelense, o sistema de irrigação por gotejamento foi crucial para o desenvolvimento do setor. A chamada agricultura de precisão utiliza o monitoramento das plantações com sensores eletrônicos e fotos de satélite. A irrigação por gotejamento utiliza menos de 5% da quantidade necessária pelo sistema de aspersão, o mais aplicado na agricultura no mundo.