• Claudia Godoy

Fórmula de Praga e as revoluções coloridas para Cuba

Por: Embaixada de Cuba

*A fórmula de Praga e as revoluções coloridas para Cuba*


A fórmula de Praga, usada contra Cuba, tem graves falhas em sua concepção e implementação. A Revolução Cubana é autêntica, filha da nossa cultura e das nossas ideias, o nacionalismo aqui é o resultado do processo de libertação anti-colonial e anti-imperialista. Desconsiderar a natureza política do poder nas Grandes Antilhas os levou e os levará ao fracasso repetidas vezes.

Autor: Raúl Antonio Capote. Foto: divulgação.

Durante a ofensiva cultural da CIA contra o socialismo, após o fim da Segunda Guerra Mundial, a agência de inteligência americana criada em 1947 se infiltrou em todos os espaços da cultura.


A CIA publicou autores conhecidos que seguiram a linha de Washington, realizaram múltiplas ações para combater a arte com algum conteúdo social, subsidiou jornais e jornalistas e comprou artistas e intelectuais.


O processo que levou à derrota do socialismo no Leste Europeu teve muito a ver com os efeitos sobre as mentalidades da intensa guerra cultural que eles tiveram que enfrentar durante anos, bem como com os erros desses projetos.


As "revoluções" pró-capitalistas ocorridas no chamado Campo Socialista no final dos anos 1980 responderam a um roteiro semelhante, ajustado às características de cada nação, dependendo da história e da cultura. Na Bulgária, o roteiro restaurativo foi montado sobre os problemas ecológicos pelos quais aquele país estava passando; na Polônia, eles se aproveitaram dos sentimentos religiosos e da inquietação em alguns setores da classe trabalhadora; na Tchecoslováquia, eles dependiam principalmente do movimento cultural e político herdeiro da Primavera de Praga, etc.


Em Praga, o movimento anti-socialista nucleado em torno de um grupo de intelectuais, entre os quais Vaclav Havel, um dramaturgo tcheco, apoiado do Ocidente pelos serviços especiais europeus e pela CIA, realizou, em 1989, uma revolução sob a bandeira da «não violência».


A grande mídia ocidental há anos promove a imagem de Havel como o grande líder antiburocrático capaz de restaurar o capitalismo e trazer liberdade para seu país.


Havel foi presidente do Círculo de Escritores Independentes, fundador do movimento Carta 77 e líder do grupo de oposição Civic Forum. Ele foi multi-premiado por organizações e instituições nos Estados Unidos e Europa, além de ser mimado pela crítica no Ocidente.


A Revolução de Veludo, como o golpe suave que acabou com o socialismo na Tchecoslováquia foi batizado, teve sucesso com relativa facilidade. Vaclav Havel foi eleito presidente, o país foi dividido em República Tcheca e Eslováquia, e políticas de choque neoliberais foram postas em prática em nome dos direitos humanos e da liberdade de expressão.


O modelo de Praga foi tentado várias vezes em Havana, mas a impossibilidade de encontrar líderes de uma oposição pró-capitalista forçou a CIA a fabricar seu próprio Vaclav Havel por meio de bolsas de treinamento de liderança no exterior, prêmios e promoção na mídia.


Fabricar movimentos artísticos apoiados por prestigiosas organizações internacionais, tentando alcançar a estranha metamorfose de transformar a pseudo-arte em arte de vanguarda, para usar esses elementos contra a Revolução, é o objetivo perseguido pelos serviços especiais americanos.


A fórmula de Praga, usada contra Cuba, tem graves falhas em sua concepção e implementação. A Revolução Cubana é autêntica, filha da nossa cultura e das nossas ideias, o nacionalismo aqui é o resultado do processo de libertação anti-colonial e anti-imperialista. Não conhecer a natureza política do poder nas Grandes Antilhas os levou e os levará ao fracasso repetidas vezes. revoluciones-de-colores-en-cuba-02-02-2021-00-02-01