• Claudia Godoy

Armênia denuncia massacres com incentivo do Azerbaijão

Atualizado: Mar 4

Por: Embaixada da Armênia

Declaração do Ministério das Relações Exteriores da Armênia no 33º aniversário dos massacres anti-armênios em Sumgait


33 anos atrás, em 27-29 de fevereiro de 1988, massacres pré-planejados de armênios foram realizados na cidade de Sumgait (Azerbaijão) com o incentivo das autoridades azerbaijanas e a permissividade dos órgãos de aplicação da lei. Centenas de armênios foram mortos, incluindo mulheres, crianças e idosos, e milhares de armênios foram deslocados à força

Khachkar com os dizeres “Sumgait 1988”.

O massacre de Sumgait foi uma resposta à aspiração do povo de Artsakh de afirmar seu direito inalienável a uma vida digna e segura em sua pátria histórica e de exercer seu direito à autodeterminação. O Azerbaijão se opôs às tentativas de exercer os direitos humanos com a política de punição coletiva, submetendo a população armênia da cidade de Sumgait a violências e torturas severas.


As atrocidades de Sumgait instigaram a limpeza étnica e massacres de armênios em outras cidades do Azerbaijão, como Baku e Gandja. Além disso, a justificativa inequívoca de tal crime, a glorificação dos

assassinos por matar armênios, se refletiu nos esforços das autoridades do Azerbaijão para resolver o conflito de Nagorno-Karabakh com o uso da força.


No ano passado, em 27 de setembro, a guerra total desencadeada pelo Azerbaijão contra Artsakh e seu povo foi acompanhada por crimes de guerra semelhantes contra a identidade armênia, com uma única diferença - os assassinatos de civis não foram cometidos por turbas controladas, mas por militares das forças armadas do Azerbaijão e os vídeos relevantes foram colocados na Internet.


Durante a guerra de 44 dias, as forças armadas do Azerbaijão, movidas por um sentimento de impunidade, cometeram inúmeras violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos, que são manifestações de atrocidades em massa, incluindo limpeza étnica e crimes de guerra.


Ao aderir ao comportamento de grupos terroristas, as Forças Armadas do

Azerbaijão cometeram violações contra prisioneiros de guerra, civis, destruíram bárbaramente monumentos histórico-culturais e santuários. As execuções de prisioneiros de guerra armênios e de civis na região de Hadrut de Artsakh e outros assentamentos caídos sob o controle militar do Azerbaijão são o resultado de crimes não condenados anteriores.


Hoje, ao prestar homenagem às vítimas inocentes dos massacres armênios em Sumgait, Baku e Gandja, mais uma vez enfatizamos a determinação da República da Armênia, da República de Artsakh e de todos os armênios em viver uma vida livre, independente e digna em sua terra natal.